o0o A Companhia de Artilharia 3514 voou para Angola no dia 2 de Abril de 1972 (Domingo de Páscoa) num Boeing 707 dos Tams e regressou no dia 23 de Julho de 1974, após 842 dias na ZML de Angola, no subsector de Gago Coutinho, Provincia do Moxico o0o Rendemos a CCAÇ.3370 em Luanguinga em 11 de Abril de 1972 e fomos rendidos pela CCAÇ.4246 na Colina do Nengo em Junho de 1974. Estivemos adidos ao BCav3862 e depois ao BArt6320 oOo O Efectivo da Companhia era composto por 172 Homens «125 Continentais, 43 Cabo-Verdianos e 4 Açorianos» oOo

segunda-feira, 23 de novembro de 2009

Lumbala Nguimbo


Rei dos Bundas defende educação correcta da juventude
O rei dos Bundas, Mwene Mbando III, disse domingo, na Vila de Lumbala Nguimbo, província do Moxico, que o desenvolvimento do país passa pela educação correcta da juventude.
Interpelado pela Angop, a margem do acto provincial das comemorações do dia nacional do educador, assinalado a 22 de Novembro, o soberano do Povo Bunda argumentou que a educação dos filhos é de extrema importância, pois visa incutir nas crianças, enquanto pequenas, as normas de boa convivência na sociedade onde estão inseridas, para além da instrução académica.
Lembrou que o programa do ensino e aprendizagem compreende duas partes, a primeira parte da família, a criança é ensinada como lidar com os outros, isto é "não ofender, roubar e respeitar os mais velhos" e a segunda consiste na dedicação e assimilação das matérias dadas nas escolas.
O Rei aproveitou a oportunidade para chamar atenção aos encarregados de educação nas áreas rurais, que levam consigo as crianças às lavras nos dias normais de aulas, a fim de deixarem essa prática, que para si contribui na elevada taxa de analfabetismo infantil, perigando o futuro do país.
Mwene Mbando III aconselhou a cooperação entre os encarregados de educação e os professores para se garantir o sucesso escolar.
O Rei Mwene Bando IIIº foi empossado em Agosto de 2008 e tem o seu embala na vila de Lumbala Nguimbo, sede municipal dos Bundas.

Lumbala Nguimbo

Direcção da Educação entrega estímulos aos professores destacados no Moxico
Luena - Vários professores que se destacaram durante o ano lectivo 2009, na província do Moxico, beneficiarão de estímulos materiais, no âmbito dos festejos do dia do educador, 22 de Novembro, na Vila de Lumbala-Nguimbo, município dos Bundas.
Segundo um programa elaborado pela direcção local da Educação, Ciência e Tecnologia, que a Angop teve acesso hoje, quinta-feira, o acto provincial será orientado pelo Governador da província, João Ernesto dos Santos "Liberdade", depois da deposição de uma coroa de flores no túmulo do soldado desconhecido.
No acto, serão entregues prémios aos finalistas do quadrangular de futebol disputado entre as selecções de professores do ensino primário, II ciclo e da escola de formação de professores.

segunda-feira, 16 de novembro de 2009

A Malta vai "Ressuscitando"

Encontrei o Luis Fernando Pereira Rego

Do álbum de Bernardino Careca - Manuel Cardoso da Silva, Carlos Diogo e Candeias Careca na companhia do Fernando Rego na apresentação do seu ARRI BURRO
Há dias falei com o Fernando Carrusca por causa do nosso próximo encontro, e da necessidade de me enviar o dossier dos contactos da rapaziada, afim de começar a elaborar o programa para 2010, falamos dos que ainda não compareceram aos encontros e de entre eles o camarada Rego que é o Presidente da Associação Musical de Freamunde, sua terra natal, telefonei ontem, falamos bastante tempo sobre o passado, os encontros, os companheiros de então, dos tempos do Nengo, das futeboladas em Gago Coutinho, pois também fazia parte da equipa da Cart e raramente faltava á chamada. Envia um grande abraço a todos os companheiros e em especial ao pessoal das TRMS onde desempenhava funções como 1º cabo cripto, deixou a promessa de para o ano poder estar presente em Fátima no próximo encontro.

domingo, 15 de novembro de 2009

"A Leste, o Paraíso...!!!" (2)

Rio Luio 15 Novembro 1973
O conhecimento da existência de um grupo numeroso de guerrilheiros do MPLA, que se movimentavam nas zonas do Luvuei, Lutembo e Gago Coutinho, desencadeou a operação Barbado E/H, sob o comando do capitão Ovídio Rodrigues, do CIC, que se deslocou por via aérea e se juntou à 2042ª C.C. em Gago Coutinho.
Os primeiros quatro grupos a serem lançados no terreno, saíram do Luso na manhã do dia 14 de Novembro 73 em viaturas auto para Gago Coutinho onde chegaram de tarde. No dia 15 de Novembro foram lançados de acordo com o plano da operação, três grupos nas zonas previstas, tendo ficado no quartel de Gago Coutinho o grupo de alerta e as equipas de defesa imediata.
Os outros dois grupos, o 1º e o 3º, saíram do Luso na manhã do dia 15 rumo a Gago Coutinho. Na estrada de asfalto que ligava o Luso a Gago Coutinho, próximo da povoação do Luvuei, um numeroso grupo de guerrilheiros do MPLA realizou uma das mais bem sucedidas emboscadas contra as nossas tropas, não só pelo número elevado de mortos e feridos que nos infligiu, mas também pelos estragos causados sobre o material.
.
Unimog da 2042º CC, atingido e danificada por fogo In na emboscada do rio Luio
A posição mais que passiva do comandante da esquadrilha de helicópteros, bem como a reacção estranha de um dos dois pilotos de T6 que levantaram do Luso, fez dos operacionais destes dois grupos combatentes heróicos. Contra um inimigo em muito maior número e detentor da surpresa, bem posicionado, com um potencial de fogo elevadíssimo e que dispôs sempre do controlo da situação, foram capazes de empreender a reacção à emboscada de modo a alterar os seus propósitos, repelindo-o ao fim de quase uma hora de combate. Quando o grupo de alerta e os operacionais pára-quedistas chegaram ao local em viaturas auto, já o inimigo tinha retirado com um morto confirmado e um elevado número de feridos. Os nossos 5 mortos e 15 feridos graves foram evacuados para Gago Coutinho e daqui para o Luso. Apesar da heróica reacção, teremos vivido o dia mais amargo de toda a história dos Comandos Portugueses. Esta emboscada, fez abortar a operação Barbado E/H, tendo os grupos que se encontravam no mato sido recuperados de imediato para Gago Coutinho. A companhia saiu nessa noite de Gago Coutinho, pernoitou na unidade militar do Luvuei e seguiu para o Luso no dia 16 de Outubro, com pesadas baixas e poucos resultados.
Considerando as baixas sofridas nesta emboscada e a falta de comandante de companhia, alguns responsáveis militares colocaram a hipótese da sua dissolução e distribuição por outras companhias. A nomeação para comandante da companhia, do tenente comando Isaías Pires, no dia 7 de Dezembro de 1973, fez cair a ideia de dissolução.
Informação e imagem em ( http://www.2042comandos.com/ )

domingo, 1 de novembro de 2009

Estórias d´Angola

Em de 73 vim passar as férias á Metrópole, e por mero acaso na companhia do “Luís”, o que de facto era uma mais valia, mas por outro lado não deixava de ser uma grande aventura, viajar com este grande companheiro, era o homem das facilidades, como todos decerto ainda se lembram, mas ás vezes dava buraco. E para começar em Gago Coutinho trocámos o MVL por uma boleia semi-clandestina no Nordatlas, depois duma ajuda no carregamento dos sacos do SPM (correio) mas só a meio caminho soubemos a rota do “Barriga de Jinguba”. Na pista do Cazombo corremos o risco de ficar em terra por falta de lugar depois de acomodarem dois grupos de Paraquedistas, mas lá tiveram compaixão e acabaram por nos transportar até ao Luso. No dia seguinte iniciamos mais uma etapa agora de comboio (Mala), através do CFB para Nova Lisboa em 1ª classe, mas com bilhete de 2º, depois duma longa conversa do “Luís” com o Pica (Revisor).

Gago Coutinho 1973 - António Carrilho e o Parreira numa farra no Musseque
Chegados a Luanda tínhamos de nos apresentar no QG, afim de nos averbarem na guia de marcha a autorização de embarque para a Metrópole, como ele tinha o cabelo demasiado grande um Capitão que estava de serviço na secretaria do comando, convidou-o a ir ao barbeiro e voltar lá com o cabelo devidamente aparado. Grita ele á saída, cortar o meu rico cabelo agora que vou de férias nem pensem em me tocar no capacete, passámos o resto da tarde na baixa da cidade e barbeiro nada. À hora do jantar bem tentei persuadi-lo, impossível, não estava para ai virado, saímos para beber uns copos até ás tantas da madrugada. No regresso começa com uma ladainha e diz-me em jeito de desafio, Carvalho amanhã vais me fazer um favor, convenceu-me a pegar na guia de marcha e na papelada e fazer a apresentação em seu nome, um pé de cabra que me podia ter custado as férias, mas naquela altura a malta não pensava direito, a amizade o companheirismo e a adrenalina compensavam o risco. O 1º Sargento que estava nessa manhã de serviço ao balcão da secretaria do QG mirou a papelada de soslaio, pegou no carimbo e já está, correu bem, bem de mais para ser sincero, mas sai mudo e nervoso. Caminhávamos rua abaixo, quando o “Luís” me diz, queres passar pelo hotel?
Não estou a perceber, voltar para trás..! Dispara ele com ar de gozo, para ires trocar de fraldas, vens com um cheiro esquisito.
Adeus até ao meu regresso.