o0o A Companhia de Artilharia 3514 voou para Angola no dia 2 de Abril de 1972 (Domingo de Páscoa) num Boeing 707 dos Tams e regressou no dia 23 de Julho de 1974, após 842 dias na ZML de Angola, no subsector de Gago Coutinho, Provincia do Moxico o0o Rendemos a CCAÇ.3370 em Luanguinga em 11 de Abril de 1972 e fomos rendidos pela CCAÇ.4246 na Colina do Nengo em Junho de 1974. Estivemos adidos ao BCav3862 e depois ao BArt6320 oOo O Efectivo da Companhia era composto por 172 Homens «125 Continentais, 43 Cabo-Verdianos e 4 Açorianos» oOo

terça-feira, 24 de maio de 2011

“Nunca Digas Nunca”

Há dias o João num artigo aqui publicado, constatava que as visitas ao blog  o deixavam virado do avesso, pelo voto de silêncio a que se tinha remetido, de não escrever uma linha que fosse, sobre o passado em África, mas a vontade e a nostalgia de partilhar factos e memórias dos nossos vinte anos, foram mais fortes e apelativos, cedendo a narrativa de algumas “estórias” do nosso quotidiano lá no município dos Bundas, evocando para a quebra da promessa, o velho ditado popular “nunca digas nunca”  que nós aplaudimos com veemência na esperança de aqui comungarmos de outras passagens gloriosas que sabemos existir no baú das tuas memórias.
.
Parreira e Duarte, dois candidatos...!!!
 Sobre o deflector milagroso, nada a dizer, não me lembro, mas também não me é estranho, nunca dei um tiro sentado no patim dum zingarelho, se calhar por nunca me terem desafiado, tenho a certeza do que asseveras, quando dizes que foste de longe o homem que mais caçou lá nas alturas, com o argumento de que a escolha se devia aquela, mas não só, prodigiosa invenção belicista de protecção da tinta e dos cromados da aeronave. Não eras o melhor atirador conforme confessas mas tinhas outros atributos, que disfarçavam o chumbo do arco cego
Os pilotos que iniciaram este intercâmbio nos fins de 72, se não estou errado foram o Coutinho e o Ribeiro da Silva, que decerto conheceste e fizeste amizade quando estiveste colocado no Batalhão e dai o normal convite  para os acompanhares a caçar, bastava uma simples mensagem para o posto de transmissões na Colina do Nengo.
.
Dias Monteiro um candidato...!!
A maioria das vezes acontecia quando algum helicóptero fazia ou simulava testes de voo, depois das operações de manutenção, não era fácil levantar  sem autorização do Cmdt do sector, mas os “Pilavs” arriscavam uma rapidinha ao Nengo acompanhados dos mecânicos que normalmente ficavam em terra para dar boleia ao atirador e à caça abatida, faziam uma ou duas sortidas de dez minutos na envolvente das chanas e raramente chegavam vazios. De realçar a disponibilidade e camaradagem que sempre existiu com o pessoal do bivaque, que testemunham as muitas reuniões gastronómicas no hangar da AM44,  em que participamos ao longo da nossa estadia nas terras do fim do mundo.
Adeus até ao meu regresso

sábado, 21 de maio de 2011

Recordações D´Outrora

Destacamento do Lufuta, Maio 1972 - Missa dominical

Gago Coutinho 1972 - Aguiar, Careca, Zé Abreu e Guerra

Latriteira do Mussuma 1972 - César Correia, Ruivo, Vilaça e Resende

Colina do Nengo 1973 - Carrusca Pimenta e Gonçalves

Colina do Nengo 1973 - Beringel, Dinis, Pereira Rego, Carrusca, ??, Serafim Gonçalves e Zé Abreu jogando póker de dados

Rio Mucoio 1973 - Melo, Coutinho, Lourenço do Carmo,  Libãneo, Arlindo Barros e Augusto Silva  
A oito dias de mais um encontro convivio a realizar em Arganil, organizado pelo Dinis pelo Fernando Oliveira e pelo Manel António, que este ano nos vão receber na sua bonita Cidade, esperamos rever amigos reencontrar novas caras, uma casa cheia e que tudo corra de acordo com as espectativas.

quinta-feira, 12 de maio de 2011

Noticias de Lumbala Nguimbo

Os jovens da sede municipal dos Bundas (Lumbala-Nguimbo), província do Moxico, vão ganhar um Centro comunitário, a ser inaugurado esta sexta-feira, pelo ministro da Juventude e Desportos, Gonçalves Muandumba. Para o efeito, o titular da pasta é esperado nessa sexta-feira na cidade do Luena, para depois se deslocar àquela vila que dista a 356 quilómetros da cidade do Luena, onde já se encontra desde hoje, o governador provincial, João Ernesto dos Santos "Liberdade". Ainda no Lumbala-Nguimbo, Gonçalves Muandumba irá visitar o bairro social da juventude em construção desde 2009 e comporta 40 casas, das quais 12 já concluídas, para além de manter um encontro de cortesia com o rei Mwe Mbando III. O Centro Comunitário do Lumbala-Nguimbo vai proporcionar aos jovens a formação profissional em áreas de corte e costura, culinária, decoração, informática, para além de áreas de lazer. 

quinta-feira, 5 de maio de 2011

O Deflector

João Medeiros, 5 Maio 2011
De João Medeiros
Conforme vou visitando o blog, cada vez fico com mais nostalgia e com a vontade de partilhar algumas coisas que me vêem á lembrança, mas tantas delas já foram lembradas por vós e de maneira tão real que fico virado ao avesso. Digo virado ao avesso pois tinha prometido a mim mesmo que nunca iria escrever alguma coisa sobre o meu passado na tropa, principalmente em África, mas mais uma vez na minha vida se vai cumprir o velho ditado (nunca digas nunca). Vamos ver se alguém se lembra? O deflector era um acessório da espingarda G3 (Não Oficial) que servia para encaminhar as cápsulas das balas para baixo em direcção ao chão depois do tiro no momento da ejecção das mesmas, quando fazíamos tiro de instrução na carreira do tiro, para não magoarmos o parceiro do lado, pois já bastava ficarmos com a maçã do rosto e o ombro magoado.
Portanto o deflector deve ter sido inventado por um artista qualquer Português pois os que eu conheci eram rudimentares (peça artesanal). Que eu me lembro devo ter sido o homem da nossa companhia que mais vezes foi á caça de helicóptero, foram tantas que perdi a conta e sabem vocês porquê?
.
Deflector milagroso da G3
Não porque fosse o melhor atirador da companhia, pois tínhamos alguns bastante bons, mas por causa da peça milagrosa. “O deflector.” Pois a mesma protegia o helicóptero quando se fazia tiro em voo, evitando que as cápsulas das balas ao serem ejectadas, não fossem para cima, batendo no hélice ou na cabine.
Fiz duas destas peças com chapa de bidão, em tempos diferentes pois eram muito trabalhosas (não havia aparelhos de soldar ou outras ferramentas que facilitassem o trabalho). Qualquer uma delas levou sumiço. Quem foi não sei. A não ser que algum de vocês tenha passado a caçar mais de helicóptero do que eu. um abraço.

terça-feira, 3 de maio de 2011

Três Amigos, Três Vizinhos

De José Ramalhosa
Elizabeth, NJ - EUA
Nasci na pequena Freguesia de Lanhelas, Concelho de Caminha, no meu ano fomos à inspecção uns 15 mancebos, ficamos todos apurados para o serviço militar, no norte, e na minha zona em particular, depois do apuramento metade dos "sorteados" davam o salto, emigravam clandestinamente para o estrangeiro, principalmente para França, apenas cinco ou seis se apresentaram nesse ano nas unidades, para cumprirem o serviço militar. Depois da recruta e da especialidade, mais uns meses aqui, outros acolá, embarcamos todos para o ultramar. Quando fui a Gago Coutinho pela primeira vez, encontrei o meu grande amigo e conterrâneo furriel Hipólito Lages (já falecido) que pertencia ao Bcav 3862, não recordo a companhia
. 
Gago Coutinho 1972 - Neves Tavares, José Ramalhosa, Amorim dos Santos, Fonseca Marques, Salgado Correia, João Medeiros e António Duarte
 Algum tempo depois fui informado por camaradas do meu grupo que tinham encontrado na vila um furriel meu conterrâneo, que andava à minha proucura, não o sabiam identificar pelo nome, mas que pertencia à Ccav 3517 sedeada no Luvuéi, que nos tinham  rendido no Lutembo, e agora estava destacado no Luanguinga.
.
R.I.5, Caldas da Rainha 1971 - Ramalhosa e Fernandes, acampados na serra do Bouro na semana de campo
Alguns dias depois juntei um grupo de voluntários e fui ao encontro de mais um grande amigo o furriel Fernandes, depois de um grande abraço, disse, “Zé ainda dizem que Angola é grande”, realmente foi uma grande casualidade, encontrar nas terras do fim do mundo, num raio de 100 kms 3 amigos e vizinhos.
.
Rio Luce 1973 - Leal Santos, Palma Rodrigues,  Francisco Alves, Resende, João Brás, José Ramalhosa, Vilaça e Barata das Neves com um búfalo e o TSF
 Fiz a recruta no R.I.5 em C. da Rainha com o Fernandes na mesma Companhia, seguimos especialidades e caminhos diferentes, mas acabámos ombro a ombro no mesmo sector operacional e na mesma guerra no Leste de Angola.
Um abraço a todos
José Ramalhosa