o0o A Companhia de Artilharia 3514 voou para Angola no dia 2 de Abril de 1972 (Domingo de Páscoa) num Boeing 707 dos Tams e regressou no dia 23 de Julho de 1974, após 842 dias na ZML de Angola, no subsector de Gago Coutinho, Provincia do Moxico o0o Rendemos a CCAÇ.3370 em Luanguinga em 11 de Abril de 1972 e fomos rendidos pela CCAÇ.4246 na Colina do Nengo em Junho de 1974. Estivemos adidos ao BCav3862 e depois ao BArt6320 oOo O Efectivo da Companhia era composto por 172 Homens «125 Continentais, 43 Cabo-Verdianos e 4 Açorianos» oOo

sábado, 31 de março de 2012

Noticias de Lumbala Nguimbo

OBRAS PÚBLICAS - A Administradora Municipal adjunta...
A administradora municipal adjunta do município fronteiriço dos Bundas, Filomena Miza, disse hoje, sábado, no Lumbala-Nguimbo, província do Moxico, que a construção de 200 fogos na circunscrição, prevista para este ano, vai reduzir o défice habitacional que afecta à juventude local. Em declarações à Angop, a responsável confirmou a presença em Lumbala-Nguimbo da empresa de construção civil "EBOMEX", a quem foi adjudicada a empreitada, estando já a trabalhar na desmatação e loteamento do terreno para a construção das primeiras 100 moradias. Esclareceu que as outras 100 residências serão erguidas na segunda fase da empreitada prevista para o próximo ano. A administradora adjunta fez saber, por outro lado, que 50 outras casas serão igualmente construídas na região, cujo projecto contará com o envolvimento da juventude local para sua celeridade. O município por fazer fronteira com a vizinha República da Zâmbia, tem registado o regresso constante de cidadãos nacionais que se encontravam na Zâmbia na condição de refugiados, referiu Filomena Miza, acrescentando que isso obriga a administração a construir mais escolas nas aldeias, para absorver as crianças em idade escolar. Quanto à reabilitação do troço rodoviário que liga Lumbala- Nguimbo a Mungo (Zâmbia), avançou que os trabalhos estão dependentes da reposição das pontes sobre os rios Luati e Ninda, pelo Instituto Nacional de Estradas de Angola (INEA), havendo a previsão do seu arranque em Abril próximo.

AGRICULTURA - A Administração do Município fronteiriço ...
A administração do município fronteiriço dos Bundas, província do Moxico, investiu este ano, mais de 20 milhões de Kwanzas, para o desenvolvimento da actividade agrícola na região, anunciou hoje, sábado, a sua administradora adjunta, Filomena Miza. Falando à Angop, a responsável disse ter dado prioridade à agricultura por constituir a base no combate à fome e à pobreza, bem como o garante da subsistência alimentar das famílias camponesas. Para o relançamento da actividade do campo, referiu que a administração distribuiu terrenos férteis aos camponeses organizados em associações e cooperativas agrícolas que aguardam pela recepção de fertilizantes, sementes e instrumentos agrícolas (enxadas, catanas e machados). Também, acrescentou, a administração municipal tenciona trabalhar junto do Executivo provincial para mobilizar as agências bancárias que operam na região a cederem aos camponeses o crédito de campanha agrícola, para contribuir para o fomento deste sector. Para a responsável, se o governo deixar de apostar na actividade agrícola, impossível será o desenvolvimento da região, daí o empenho da administração municipal no desenvolvimento desta área. Disse que o executivo local vai nos próximos tempo procurar equilibrar o comércio transfronteiriço, (Via Fluvial, Mussuma) que funciona em média escala, por receber apenas produtos vindo da vizinha República da Zâmbia, sem o retorno para o outro lado. Apontou que o município dos Bundas é potencial em actividade agrícola, exemplificando que neste momento, tem grandes celeiros de arroz que enfrentam dificuldades no descasque do cereal e sua evacuação para os maiores centros comerciais do país.

SOCIEDADE - Programa Municipal Integrado...
Programa Municipal Integrado de Desenvolvimento Rural e de Combate à Pobreza regista avanços significativos no município dos Bundas (Moxico), com a melhoria das condições sociais básicas da população. Segundo a administradora em exercício, Filomena Miza, que prestou hoje a informação à Angop, a execução do programa já permitiu erguer uma escola e residências para os quadros da educação e saúde na comuna do Lutembo. Ainda na comuna do Lutembo, acrescentou a administradora em exercício, está em curso a construção de um centro médico, com capacidade para mais de vinte camas. Indicou ainda que no âmbito da implementação projecto, o executivo local projectou a construção de uma escola e um posto de saúde na comuna do Luvuei, bem como duas residências para os quadros da educação e saúde. Na sede municipal (Lumbala–Nguimbo), fez saber que está em construção e reabilitação uma escola, centro de saúde, ponte sobre o rio Lucula, o sistema de captação, tratamento e distribuição de água potável, no quadro do programa nacional “Água Para Todos”. O Programa Municipal Integrado de Desenvolvimento Rural e de Combate à Pobreza foi aprovado em 2008 pelo Executivo angolano, abrangendo os sectores da educação, saúde, água, através do programa nacional “Água Para Todos”, energia, bem como a construção e reabilitação de pontes, para facilitar a circulação de pessoas e bens.

quarta-feira, 28 de março de 2012

Aniversário

Dias Monteiro
 Neste dia 28 de Março, do ano da Graça de NSJ Cristo, de 2012, completa mais um ano de vida, perfazendo um total de 62 Primaveras, o nosso comum Amigo e Camarada, Manuel Dias Monteiro, de quem, embora seja sobejamente conhecido de todos os elementos que compuseram a CArt 3514  ”Panteras Negras”, não quero deixar de anexar uma imagem,  relativamente actualizada, para que todos vejam o bom estado em que se encontra. Pode muito bem dizer-se, como é tradição” na nossa terra: “Benza-o Deus!...” E mais ainda: “ Que Deus o conserve com tão bom aspecto, por muitos e muitos anos, na companhia dos seus familiares e Amigos mais próximos”, no gozo da mais completa felicidade e prosperidade. São estes os votos mais sinceros do Amigo e Camarada “açuriano”, acompanhados de um abraço de amizade, Botelho

quarta-feira, 21 de março de 2012

Aventuras de Julian e o seu Fiel Escudeiro

Há dias pesquisava o You Tube e despertou-me a curiosidade do titulo dum vídeo, sobre as "Aventuras de Julian e seu Fiel Escudeiro", abri a parte 1 e na tela surge um globo com uma trajectória animada e a  seguinte mensagem  Alenquer-Cabo Norte-Cabo Roca (I) lembrei-me dum nosso antigo camarada de armas, mas longe de o ligar a esta história, passadas algumas imagens, reconheço este afamado e reconhecido amante das duas rodas, realizando a ligação entre o Cabo da Roca, situado na parte mais ocidental da Europa, ao North Cape situado lá nos confins da Noruega muito próximo do pólo, numa viagem de moto, em velocidade de cruzeiro, à média horária de 61,9 km durante 219 horas num total de 13.487 kms, que podem apreciar clicando nos links em anexo.
.
Cardoso da Silva algures na Peninsula da Escandinavia

Cardoso da Silva, imagens duma aventura em duas rodas
Part 1 -  http://www.youtube.com/watch?v=vn-Z4r4cmOA

segunda-feira, 19 de março de 2012

Noticias de Lumbala Nguimbo

AGRICULTURA – Esperam colher mais de 14 mil toneladas.
Os camponeses do município dos Bundas, província do Moxico, esperam colher na presente época agrícola 2012/2013, mais de 14 mil toneladas de produtos diversos, anunciou hoje, terça-feira, em Lumbala-Nguimbo, o chefe local da secção da agricultura, Kanhica Lastony. Em declarações à Angop, o responsável explicou que dos produtos a serem colhidos se destacam, 95.840 toneladas de milho, 14 de feijão, 29 de mandioca, 66 de batata-doce e 53 de amendoim. Explicou que este ano, 700 camponeses da circunscrição distribuídos em três associações e uma cooperativa, prepararam um total de 3.209 hectares de terra para as lavouras. Enalteceu o empenho do governo provincial na distribuição de instrumentos agrícolas como catanas, enxadas, alfaias e sementes diversas, o que facilita o exercício das actividades dos camponeses e, o consequente, aumento dos níveis de produtividade em prol do combate à fome e à pobreza. Ao informar que anualmente são colhidos grandes quantidades de produtos agrícolas, fruto do envolvimento sério dos agricultores e da boa fertilidade dos solos da região, lamentou a falta de meios de transportes para evacuação dos produtos do campo para os principais centros comerciais, acabando por se deteriorarem. Quanto ao cultivo de arroz, referiu que sua a produção ainda é muito baixa, alegando a seca que assolou o município durante o mês de Janeiro último, bem como uma doença desconhecida que afectou a plantação de tomate. Nos Bundas, em 2011, o sector da agricultura colheu mais de 209.000 toneladas de milho, feijão, mandioca, batata-doce e 2.123 de arroz, cujo produto teve como destino a cidade do Luena e as vizinhas Repúblicas da Zâmbia e Congo Democrático (RDC).

SAÚDE – Hospital necessita de médicos de especialidades.
Pelo menos quatro médicos especializados em cirurgia, ortopedia, medicina e ginecologia são necessários no Hospital Municipal dos Bundas, província do Moxico, para atender os pacientes que afluem a essa unidade sanitária, disse hoje o seu administrador, Marvão César. Em declarações à Angop, argumentou que dada a extensão geográfica e por fazer fronteira com a República da Zâmbia, o município necessita igualmente de 425 enfermeiros para se juntarem aos 95 existentes, para garantir uma assistência médica e medicamentosa adequada aos populares. Com uma população estimada em mais de 60.000 habitantes, o município não dispõe de médicos de especialidades e os pacientes em estado grave são transferidos para a cidade do Luena, o que muitas vezes faz com que alguns doentes acabem de morrer durante o percurso. Apontou que de Janeiro até a presente data o centro hospitalar, com uma capacidade para internar 50 pacientes, registou nove óbitos por malária, dos oito mil pacientes que realizaram consultas diversas. A malária, as doenças diarreicas agudas e de transmissão sexual (ITS), bronquite são, entre outras, enfermidades que mais foram registadas no mesmo período no referido hospital que atendeu uma média de 120 pacientes. No período em balanço, segundo o administrador, foram diagnosticados 11 casos positivos de VIH/Sida, no Centro de Aconselhamento e Testagem Voluntária (CATV), dos mais de 100 pessoas que ocorreram à instituição humanitária.

EDUCAÇÃO – O Município carece de professores e salas de aula.
Cento e 50 novos professores e 50 salas de aula são necessários, no município dos Bundas, província do Moxico, para ministrarem aulas aos mais de sete mil alunos fora do sistema de ensino, informou hoje o chefe de Repartição da Educação, André Katongo. Falando à Angop, o responsável, que reconheceu a existência de 38 salas de aula erguidas durante os dez anos da paz e a colocação de 124 professores do ensino de base, considerou insuficientes, tendo em conta o crescimento demográfico e a explosão escolar registado no município no mesmo período. Lembrou que em 2012 foram matriculados mais de 17 mil alunos do ensino primário ao I ciclo, dos quais sete mil ficaram fora do sistema normal de educação, por insuficiência de salas de aula e professores. Na ocasião, solicitou a direcção provincial do seu sector para abranger o programa merenda escolar àquela circunscrição, visando cativar os alunos a afluírem à escola para um contínuo melhoramento da qualidade de aprendizagem.
AngolaPress

quinta-feira, 8 de março de 2012

Maximbombo da Eva

Corria o mês de Outubro de 1972, tínhamos chegado a Angola à pouco mais de seis meses, nunca me tinha passado pela cabeça, passar uns dias de férias naquele ano em Angola, quanto mais vir à metrópole. O João Medeiros, certo dia lançou o desafio, Carvalho estou a tratar da minha passagem aérea com a agência de viagens do Chico (Qualquer Coisa) em Luanda, vou aos Açores não queres vir, olha que para o ano, todos vão querer desfrutar das suas férias, fiquei aquela noite a matutar no assunto, tinha prometido a mim mesmo ser poupadinho, aforrar um pé de meia a fim de resolver a minha vida depois de cumprido o serviço militar e o S. Miguel vem-me desencaminhar, fiquei expectante, mas no outro dia fui falar com Capitão Rui Santos, da hipotética possibilidade, levei com um balde de água fria, o Araújo Rodrigues comandante do meu pelotão tinha-se antecipado, o grupo não podia ficar apenas com o Arlindo de Sousa no comando, falei com o Carrilho que se disponibilizou imediatamente a colmatar a minha ausência, o Brás e o Ramalhosa não levantaram objecções, o requerimento foi deferido sem mais atropelos.
.
Luso Outubro 1972 - Rodrigues, Medeiros, Caetano (amigo da PM), Carvalho 
Fizemos os três a viagem do Nengo até ao Luso no MVL, ficamos alojados na Pensão Minhoto, perto da estação do caminho de ferro,  não me recordo se o Rodrigues seguiu de avião para o Lobito ou para Luanda, eu e o Medeiros fomos de comboio até Nova Lisboa onde chegamos após 20 horas de viagem, não consigo me lembrar de Nova Lisboa nem sequer onde pernoitamos. No dia seguinte mais uma longa etapa num “Maximbombo” da EVA,  até Luanda, não conhecia aquele tipo de autocarro para passageiros e carga com uma divisória a meio, na parte da frente composta de bancos duplos ao longo do corredor central, onde viajavam brancos, crioulos citadinos e outros que tal, na retaguarda um compartimento amplo com alguns assentos laterais, onde se acomodavam na maioria nativos locais em trânsito, alguns com os seus parcos haveres, outros com cestos de hortícolas, frutas, galinhas cabritos e outras espécies domésticas de pequeno porte, fazendo da retaguarda do autocarro, um autêntico mercado, com os seus sons característicos, odores e fragrâncias, numa viagem do nascer ao por do sol com mais de 450 kms do Huambo à Capital.
.
Monte Lubiri na  Serra do Humbi - Alto Wama no caminho de N. Lisboa / Luanda
Depois de uns dias em Luanda a tratar da burocracia, voamos para Lisboa nos primeiros dias de Novembro, regressei a Luanda no dia 5 de Dezembro, onde esperei o João Medeiros, que me acompanhou de volta ao Leste numa viagem sem percalços, longe da atribulada do ano seguinte na companhia do AJC. Recordo também o azar do Rodrigues com as férias comprometidas, depois de lhe palmaram a carteira com o dinheiro do quarto de hotel onde estava hospedado, na época só se podia viajar com dinheiro no bolso, não havia cartões de crédito, nem contas bancárias à distância de um “clique” , antecipando o seu regresso forçado à Colina do Nengo, a meio da segunda semana, teso que nem um barrote, como ele inúmeras vezes afirmava, sempre que o assunto vinha à baila.   
Adeus até ao meu regresso

segunda-feira, 5 de março de 2012

Regresso

Após pouco mais de dois meses de ausência, resolvi dar sinal de vida e prestar a minha colaboração neste Blogue da CArt 3514 e dar explicação da minha falta por tanto tempo. Na realidade não tenho estado inactivo, pois tenho o meu próprio Blogue “Crónicas de Angola” em que relembro todo o meu trajecto de três comissões de serviço em Angola. É uma história que dividi em três partes, sendo a primeira dedicada à minha primeira comissão, que decorreu na ZMN/RMA, nos anos 65/67; a segunda, respeitante à minha segunda comissão, nos anos 68/70,  que me levou, inicialmente à ZMC(Nova Lisboa), depois à ZMN(Cabinda) e novamente à ZMC, onde terminou. É nesta comissão que, actualmente, estou ocupado a narrar no meu Blogue alguns dos episódios  que nela ocorreram. É um trabalho que tenho feito semanalmente e me tem ocupado muito do meu tempo. Mas consegui uma vaga e resolvi lançar mais um “post” no Blogue da CArt 3514, “Panteras Negras” e juntar algumas imagens que evocam alguns acontecimentos ocorridos na minha terceira comissão, nos anos 72/74 que,  para vós, é a primeira e a última. E, assim, lá fui vasculhar os meus arquivos à procura de uma imagem e encontrei esta em que estou, no cimo de um montículo, apontando na direcção de Gago Coutinho que se via a uma distância de uns dois a três quilómetros.

A apontar o "objectivo",Gago Coutinho
 Foi tirada num dos passeios que dávamos até à primeira ponte sobre o rio que se encontrava no caminho para o Nengo e Ninda. Como já disse de outras vezes em imagens captadas no mesmo local e proximidades, nota-se uma grande descontracção e não nos apercebemos que se está numa zona de guerra, dada a falta do necessário armamento de defesa que não deveríamos descuidar, nem deixar de transportar para nossa própria segurança. Enfim, coisas que, não fora a sorte que tivemos, poderiam dar para o torto. Mas tudo se passou e muito bem, felizmente, apesar das imprevidências e descuidos que se cometiam.  Prosseguindo na investigação aos arquivos, fui encontrar uma outra imagem, captada no mesmo dia e nas proximidades do local da anterior.
Sinto-me dono de uma ilha!...
 Desta vez, localizam-se referências do local, como seja, a ponte que se vê no último plano e que era, como já disse acima e repito, a ponte sobre o primeiro rio que se encontrava no caminho para Ninda, a partir de Gago Coutinho. A minha postura sobre as pedras deve ser reflexo da minha naturalidade, uma ilha, no meio das águas do Atlântico e, consequentemente, da minha condição de ilhéu e por imaginar-me dono de uma ilha só para mim, o que não quer dizer que seja açambarcador. Considero-a, unicamente para mim, uma fotografia muito significativa e simbólica.
                   Dê-me lume, por favor!...

Por fim, e para rematar esta selecção fotográfica, junto uma outra que não passa de uma brincadeira. Está o Diogo e eu a acender o cigarro na boquilha que ele usava, o que é uma coisa que, certamente, hoje não ocorreria, pois deixei de fumar já vai fazer vinte e três anos e não me fez falta nenhuma, antes pelo contrário, só me deu mais saúde no corpo e na carteira. Por hoje vou terminar, para não me tornar maçador, enviando cordiais saudações para o nosso “Blogmaster”, todos os outros colaboradores, para todos os outros elementos da CArt 3514 e familiares e ainda para os eventuais visitantes deste Blogue, onde quer que se encontrem. Para todos um até breve e um abraço do Camarada e Amigo.
Botelho