o0o A Companhia de Artilharia 3514 voou para Angola no dia 2 de Abril de 1972 (Domingo de Páscoa) num Boeing 707 dos Tams e regressou no dia 23 de Julho de 1974, após 842 dias na ZML de Angola, no subsector de Gago Coutinho, Provincia do Moxico o0o Rendemos a CCAÇ.3370 em Luanguinga em 11 de Abril de 1972 e fomos rendidos pela CCAÇ.4246 na Colina do Nengo em Junho de 1974. Estivemos adidos ao BCav3862 e depois ao BArt6320 oOo O Efectivo da Companhia era composto por 172 Homens «125 Continentais, 43 Cabo-Verdianos e 4 Açorianos» oOo

quarta-feira, 11 de junho de 2008

Que será destes MENINOS

Hoje falei com o Parreira, por causa do nosso convívio na Mealhada, e também do nosso Blog.
Passei uma vista de olhos pelas fotos de então e fiquei a pensar o que será destes meninos que nos acompanhavam nos destacamentos, que nos lavavam a roupa a louça das refeições a troco de tão pouco, como um prato de sopa e meia dúzia de angolares, mas que traziam sempre a alegria estampada no rosto, será que resistiram á brutalidade da guerra ao flagelo das minas, ao drama da fome, que alastraram Angola após a descolonização...? Deixo aqui esta recordação da "praia" do Mussuma com o meu Amigo Parreira, após uns mergulhos no rio Mussuma pela calma da manhã e destes meninos que nos seguiam para todo o lado, lembro algo engraçado acerca desta imagem, quando os gaiatos se aproximaram para nos acompanharem na foto, a sua primeira reacção foi cobrir a nudez com as mãos, mas o Parreira não foi em modas e gritou logo, porra mãos no peito seus c....lhos a máquina não vos come a pila. Recordo também aqui uma pequena história passada no destacamento do Luce, com uma destas crianças. Á noite quando se deitava na tenda da cozinha, foi mordido por uma cobra de metro e pouco que se encontrava no meio da manta, e o Elísio Soares na ânsia de lhe atenuar o sofrimento correu a deitá-lo na minha cama para lhe tratar do pé, a gritar segura-o Carvalho segura-o, ajudei de inicio mas não consegui resistir ao cheiro do éter á injecção nem ao bisturi a lancetar aquele calcanhar atingido pelos ganchos da serpente e saí tenda fora enjoado, para apanhar ar e depois já refeito ajudando a rapaziada a caçar a dita cuja, não fosse ela fazer mais estragos no destacamento. Hoje acho graça, não ao acidente como é óbvio, mas pelo efeito causado. Quando me fui deitar senti os lençóis molhados , reparei então que o cambuta se tinha mijado na minha cama..! Fiquei danado com o meu amigo Elísio Soares.... e disse-lhe amanhã entras de serviço á lavandaria para ficares a saber que a minha cama não é uma marquesa, respondendo ele ironicamente, isso queria o meu furriel, e eu também..! Uma marquesa...? Contente-se com uma "sivusga" se quiser, ou é filho de algum cabo miliciano...!!!
Tive que me penitenciar, e no dia seguinte, oh Maria vai com as outras lavar ao rio...!
Adeus até ao meu regresso

2 comentários :

  1. Elísio Soares26 março, 2010 14:56

    Pois....... que será feito "deles" desses meninos, que pela nossa parte sempre foram e mereceram ser bem tratados....!
    Quanto ao bisturi, se te recordas, estava tão ferrugento (era o material que havia !), que eu usei uma lámina de barbear convencional "NACET" ou análoga para as pequenas incisões no calcanhar do cambuta. Mas a lámina estava nova. Porém,isso causou grande impressão à malta nomeadamente a ti, que me chamasteis carniceiro ou coisa parecida, mas foi a safa do puto, do cambutazito.

    E recordar é viver.........
    Um grande abraço. Elísio Soares

    ResponderEliminar
  2. Amigo Soares:
    São histórias pequenas como esta que estás agora a comentar e muito bem que,em conjunto com outras, fazem o completo da "nossa História de Guerra" que tem muita diferença de outra histórias que conhecemos e que demonstra que a guerra não é só matar mas é também e muito apropriadamente, salvar vidas, sejam elas de quem for.
    Não vivi o episódio em causa, mas narrado e comentado como foi, dá para sentir e entender a emergência surgida e os meios expeditos utilizados para a resolveres na perfeição, dada a pobreza de meios existentes de que dispunhas.
    Um abraço do Amigo e Camarada,
    Botelho

    ResponderEliminar