o0o A Companhia de Artilharia 3514 voou para Angola no dia 2 de Abril de 1972 (Domingo de Páscoa) num Boeing 707 dos Tams e regressou no dia 23 de Julho de 1974, após 842 dias na ZML de Angola, no subsector de Gago Coutinho, Provincia do Moxico o0o Rendemos a CCAÇ.3370 em Luanguinga em 11 de Abril de 1972 e fomos rendidos pela CCAÇ.4246 na Colina do Nengo em Junho de 1974. Estivemos adidos ao BCav3862 e depois ao BArt6320 oOo O Efectivo da Companhia era composto por 172 Homens «125 Continentais, 43 Cabo-Verdianos e 4 Açorianos» oOo

quarta-feira, 20 de agosto de 2008

Restaurada a Monarquia em G.Coutinho

Lumbala Nguinbo, 18 Agosto de 2008
Investido rei dos Bundas em Lumbala Nguimbo
O Rei da etnia Mbunda, Mwene Mbandu III, foi investido, este domingo, ao trono, na sede municipal dos Bundas em Lumbala Nguimbo, em cerimónia presidida pelo príncipe zambiano, Justino Frederico Katwiya.
O Rei com 58 anos de idade, licenciado em línguas e técnico superior de jornalismo, formado na República da Zâmbia, Mwene Mbandu III é herdeiro de seus ancestrais da linhagem do rei Katavola-ka-Ngambo da região dos Bundas.
O reinado ora restaurado foi interrompido na sequência do aprisionamento e deportação do seu monarca, Mwene Mbunda, para lugar incerto, pelas forças políticas portuguesas, em 1974.
Durante o reinado Bunda, que coincidiu com a vigência do período da dominação colonial, 1914 a 1974, Mwene Kazungo Xande foi sempre o rei de todos os sobas da tribo Mbunda.
Hierarquicamente Mwene Kazungo Xande era reconhecido e respeitado como chefe supremo e herdeiro da coroa Mbunda, tendo sob sua jurisdição vinte e três sobas, localizados nos municípios dos Bundas e na Zâmbia.
Segundo o administrador municipal dos Bundas, Julho Augusto Kuando, a coroação do rei Mbandu III é resultado de um profundo trabalho com espírito de equipa de pessoas com rica idoneidade que descobriram o local onde estava o reino desalojado e desvirtuado pelo poder da ocupação estrangeira.
O administrador municipal justificou que antes era impossível realizar este acto, devido ao conflito armado e que foi consumado agora com a conquista da paz no país.
O administrador elogiou o governo angolano, tendo acrescentado que depois da conquista da paz este tem sabido valorizar o papel das autoridades tradicionais, bem como reconhecer a cultura do seu povo de “Cabinda ao Cunene” e “do mar ao leste”.
Ao recordar que a autoridade tradicional é uma figura de estima e respeito do povo de uma determinada área de jurisdição, disse que ela é igualmente o elo de ligação entre o governo, sociedade e vice-versa. Agradeceu, por outro lado, os esforços do Governo Central e Provincial na busca de soluções para a melhoria e aumento das condições sociais, económicas e culturais das populações do município dos Bundas. Assistiram à cerimónia de coroação e tomada de posse do Rei Mbandu III o Vice -Ministro da Administração Território, Garciano Domingos, o Governador da Província do Moxico, João Ernesto dos Santos “Liberdade”, Embaixador Angolano acreditado na Zâmbia, Pedro Neto, autoridades tradicionais, entidades religiosas e convidados.
Notícia AngolaPress

Sem comentários :

Enviar um comentário