o0o A Companhia de Artilharia 3514 voou para Angola no dia 2 de Abril de 1972 (Domingo de Páscoa) num Boeing 707 dos Tams e regressou no dia 23 de Julho de 1974, após 842 dias na ZML de Angola, no subsector de Gago Coutinho, Provincia do Moxico o0o Rendemos a CCAÇ.3370 em Luanguinga em 11 de Abril de 1972 e fomos rendidos pela CCAÇ.4246 na Colina do Nengo em Junho de 1974. Estivemos adidos ao BCav3862 e depois ao BArt6320 oOo O Efectivo da Companhia era composto por 172 Homens «125 Continentais, 43 Cabo-Verdianos e 4 Açorianos» oOo

domingo, 17 de agosto de 2008

Romance, Realidade ou Ficção?

Episódios do romance «Os CUS DE JUDAS » do Escritor Lobo Antunes publicado pela editora Don Quixote em 1979 sobre a sua vivência nas Terras do Fim do Mundo, no sub-sector de Gago Coutinho, nas comunas de Ninda e Chiúme integrado na Cart.3313 do Batalhão de Artilharia 3835 como Militar e Médico, entre Dezembro de 1970 e Janeiro de 1972, rodando depois para Malange onde findou a sua comissão de serviço em Angola.


Outro vodka? É verdade que não acabei o meu mas neste passo da minha narrativa perturbo-me invariavelmente, que quer, foi á seis anos e perturbo-me ainda: descíamos do Luso para as Terras do Fim do Mundo, em coluna, por picadas de areia, Locusse, Luanguinga, as companhias independentes que protegiam a construção da estrada, o deserto uniforme e feio do Leste, quimbos cercados de arame farpado em torno dos pré-fabricados dos quartéis, o silêncio de cemitério dos refeitórios, casernas de zinco a apodrecer devagar, descíamos para as Terras do Fim do Mundo, a dois mil quilómetros de Luanda, Janeiro acabava, chovia, sentado na cabine da camioneta, ao lado do condutor, e de boné nos olhos, o vibrar de um cigarro infinito na mão iniciei a dolorosa aprendizagem da agonia....pág 43

Gago Coutinho, a quatrocentos quilómetros ao sul do Luso e junto à fronteira com a Zâmbia, era um mamilo de terra vermelha poeirenta entre duas chanas podres, um quartel, quimbos chefiados por sobas que o Governo Português obrigava a fantasias carnavalescas de estrelas e fitas ridículas, o posto da PIDE, a administração, o café do Mete Lenha e a aldeia dos leprosos;...pág 45

Gago Coutinho era também o café do Mete Lenha, branco sopinha de massa cujo esforço para falar o torcia de caretas,.....pág 47

Impedidos de pescar e de caçar, sem lavras, prisioneiros do arame farpado e das esmolas de peixe seco da administração, espiados pela PIDE tiranizados pelos cipaios, os luchazes fugiam para a mata, onde o MPLA, inimigo invísivel, se escondia, obrigando-nos a uma guerra de fantasmas.... pág 48


Ninda. Os eucaliptos de Ninda nas demasiadamente grandes noites do Leste, formigantes de insectos, o ruido de maxilares sem saliva das folhas secas lá em cima, tão sem saliva como as nossas bocas tensas no escuro: o ataque começou do lado da pista de aviação, no extremo oposto à sanzala, luzes móveis acendiam-se e apagavam-se na chana num morse de sinais. A Lua enorme aclarava de vi és os pré-fabricados das casernas, os postos de sentinela protegidos por sacos de areia e toros de madeira, o rectângulo de zinco do paiol; à porta do posto de socorros, estremunhado e nu, vi os soldados correrem de arma em punho na direcção do arame, e depois as vozes os gritos, os esguichos vermelhos que saíam das espingardas a disparar, e tudo aquilo, a tensão, a falta de comida decente.... O gigantesco, inacreditável absurdo da guerra, me fazia sentir na atmosfera irreal, flutuante e insólita,... pág 61

O Chiúme era o último dos Cus de Judas do Leste, o mais distante da sede do Batalhão e o mais isolado, perigoso e miserável: os soldados dormiam em tendas cónicas na areia, partilhando com os ratos a penumbra nauseabunda que a lona segregava como um fruto podre, os sargentos apinhavam-se na casa em ruína de um antigo comércio, quando antes da guerra os caçadores de crocodilos por ali passavam a caminho do rio, e eu dividia com o capitão um quarto do edifício da chefia do posto, através de cujo tecto esburacado os morcegos vinham redopiar sobre as nossas camas em espirais cambaleantes de guarda-chuvas rasgados,..... pág 83

...Lembrei-me do sorriso da minha mãe, que tão poucas vezes vi sorrir depois, e do ramo de trepadeira que todas as noites batia contra a janela, chamando-nos para misteriosas proezas de Peter Pan. E agora, encostado ao arame, sozinho, a fim de que me não vissem as lágrimas, encostado ao arame do Chiúme e assistindo ao descer do morro até à chana, e para lá da chana, à mata de morrer do Leste, à mata magra e pálida do Leste,..... pág 88

- Bonjour, mon lieutenant - Tinham arribado dias antes ao Chiúme, uma companhia inteira de negros katangueses de lenço vermelho ao pescoço, comandados por um alferes de meia-idade que se apresentou como primo de Tchombé, exprimindo-se num francês de disco Linguaphone - j´ai trés bien connu Mobutu, mon lieutenant - avisou-me ele a puxar escarro de desprezo das grutas de Altamira dos pulmões - il était caporal comptable à l´armée belge - reunidos e armados pela Pide, constítuiam uma horda indisciplinada e petulante a que a emissora da Zâmbia chamava « os assassinos a soldo dos colonialistas portugueses »; não faziam prisioneiros e regressavam da mata aos berros, com os bolsos cheios de quantas orelhas lograssem apanhar; apoderavam-se das mulheres da sanzala perante o desespero resignado do soba, cada vez mais perdido na contemplação da chana,..... pág 93

Como no Chiúme, entende, no Natal de 71, primeiro Natal de guerra após quase um ano na mata, em que acordei de manhã e pensei. É dia de Natal hoje, olhei para fora e nada mudara no quartel, as mesmas tendas, as mesmas viaturas em círculo junto ao arame, o mesmo edifício abandonado que uma granada de bazooka destruíra, os mesmos homens lentos a tropeçar na areia ou acocorados nos degraus desfeitos da messe de sargentos, coçando em silêncio a flôr-do-congo dos cotovelos como mendigos nas escadas de uma igreja. É dia de Natal hoje, vi o céu de trovoada do lado do rio kuando e a eterna segunda-feira do costume no cansaço dos gestos, o calor escorria-me das costas em grossos pingos pegajosos..... pág 136

Dias antes havia partido de coluna uma companhia de pára-quedistas, que apoiados por helicópteros sul-africanos, chegados do Quito-Quanaval para uma operação excessiva e inútil na terra dos Luchases, e todas as noites os pilotos, enormes, loiros, arrogantes, se embebedavam com estrépido quebrando copos e garrafas e desafinando canções em afrikander, ..... pág 137

A impertinência brutal dos sul-africanos, que nos julgavam um pouco uma espécie de mulatos toleráveis.... Os politicos de Lisboa surgiam-me como fantoches criminosos ou imbecis defendendo interesses que não eram os meus..... Sabiam bem que eles e os filhos deles não combatiam, sabiam bem de onde vinham quem na mata apodrecia, tinha morto e visto morrer para que o pesadelo se prolongasse muitos anos, os fuzileiros haviam desfilado uma noite pelo Quartel-General do Luso entoando insultos, todas as tardes ouvíamos a emissão do MPLA às escondidas, ..... Demasiados estropiados coxeavam ao fim da tarde por Lisboa, nas imediações do anexo do Hospital Militar, e cada coto era um grito de revolta contra o incrível absurdo das balas..... pág 138

Mais tarde conhecemos a hostilidade dos brancos de Angola, dos fazendeiros e dos industriais de Angola reclusos nas suas vivendas gigantescas repletas de antiguidades falsas..... Se vocês cá não estivessem limpávamos isto de pretos num instante. Cabrões, pensava eu.... pág 139

As Terras do Fim do Mundo eram a extrema solidão e a extrema miséria, governadas por chefes de posto alcoólicos e cúpidos a tiritarem de paludismo nas suas casas vazias, reinando sobre um povo conformado, sentado à porta das cubatas numa indiferença vegetal.... E, no entanto, havia a quase imaterial beleza dos eucaliptos de Ninda ou de Sessa, aprisionando nos seus ramos uma densa noite perpétua, a raivosa majestade da floresta do Chalala a resistir ás bombas,.... pág148

O Leste? Ainda lá estou de certo modo, sentado ao lado do condutor numa das viaturas da coluna, a pular pelas picadas de areia a caminho de Malange, Ninda, Mucoio, Luate, Luce, Nengo, rios que a chuva engrossava sob as pontes de pau, aldeias de leprosos, a terra vermelha de Gago Coutinho que se prende à pele e aos cabelos..... Os agentes da PIDE no café do Mete-Lenha, lançando soslaios foscos de ódio para negros que bebiam nas mesas próximas as cervejas tímidas do medo. Quem veio aqui não consegue voltar o mesmo, .... Quando se amputou a coxa gangrenada ao guerrilheiro do MPLA apanhado no Mussuma os soldados tiraram retrato com ela num orgulho de troféu, a guerra tornou-nos bichos, percebe, bichos cruéis e estúpidos ensinados a matar..... pág 152

Nós não éramos cães raivosos quando chegámos aqui, disse eu ao Tenente que rodopiava de indignação furiosa, não éramos cães raivosos antes das cartas censuradas, dos ataques, das emboscadas, das minas, da falta de comida, de tabaco, de refrigerantes, de fósforos, de água, de caixões, antes de uma berliet valer mais do que um homem e antes de um homem valer apenas uma notícia de três linhas no jornal. Faleceu em combate na província de Angola, .... pág 153

Aos sábados de manhã, os velhos reuniam-se ao centro da sanzala em torno de uma cabaça de tabaco e soltavam, pelo nariz e pela boca, fumos castanhos e serenos como as locomotivas antigas, com ódio pelo ocupante escrito em grandes letras vermelhas na sua indiferença vegetal. Eram os velhos do Nengo, do Luce, do Luate, os velhos de Sessa e do Mussuma, os velhos de Luanguinga e do Lucusse, os velhos de Nerriquinha, os velhos do Chalala, os velhos e orgulhosos luchazes, senhores das Terras do Fim do Mundo, vindos há muitos séculos da Etiópia em migrações sucessivas, que tinham espulso os hotentotes, os Kamessekeles, os povos que habitavam aquele país de areia e noites frias.... Velhos livres tornados reles escravos do arame pelos canhangulos dos milícias, pelos rostos triangulares e furiosos dos pides, pelo rancor do Estado Colonial que os tratava como a uma raça ignóbil, e que cuspiam no chão escuro a saliva fumegante do tabaco, em escarros pesados de desprezo...... O Comandante encolhia os ombros no seu gabinete blindado, escravo ele também do arame e dos orgulhosos e desumanos donos da guerra que em Luanda, cravando pontos coloridos nos seus mapas, um a um nos matavam.... pág182

Frases soltas extraídas do Romance « OS CUS DE JUDAS »

Sem comentários :

Enviar um comentário