o0o A Companhia de Artilharia 3514 voou para Angola no dia 2 de Abril de 1972 (Domingo de Páscoa) num Boeing 707 dos Tams e regressou no dia 23 de Julho de 1974, após 842 dias na ZML de Angola, no subsector de Gago Coutinho, Provincia do Moxico o0o Rendemos a CCAÇ.3370 em Luanguinga em 11 de Abril de 1972 e fomos rendidos pela CCAÇ.4246 na Colina do Nengo em Junho de 1974. Estivemos adidos ao BCav3862 e depois ao BArt6320 oOo O Efectivo da Companhia era composto por 172 Homens «125 Continentais, 43 Cabo-Verdianos e 4 Açorianos» oOo

quinta-feira, 16 de dezembro de 2010

Um "Subterrâneo" Meu

E esta...?
João Medeiros
Estava a nossa Companhia sediada no Nengo, quando o Batalhão 3862 foi rendido pelo Batalhão 6320, formamos uma coluna (com a devida autorização do nosso Capitão) e fomos receber os maçaricos. Foi uma grande festa em Gago Coutinho para aqueles que lá estavam e para os que chegaram e contactaram com os amigos das suas terras, tal como eu, porque no 6320 vinha uma data de "Açorianos". Foram umas horas bem passadas de contar aventuras e ouvir novidades. Quando os contactos acabaram e voltamos á realidade viemos para o Nengo e chegados lá, os que não tinham ido, quiseram saber as novidades e estávamos a conversar uns com os outros, quando o Soares e o Cardoso da Silva que estavam sempre com o caniço na água, lá iam fazendo as suas perguntas a uns e a outros, para se rirem com as histórias que iam ouvindo. Pergunta o Cardoso da Silva que tinha ido a Gago Coutinho na coluna. Oh (não me lembro o nome apesar de saber quem é) estavas todo entretido lá na conversa com um maçarico, nunca mais largavas o gajo, o (………) olhou para ele e não disse nada, por que não podia manda-lo para longe, virou as costas para se ir embora,  pergunta-lhe o Soares então (……..) isto é segredo. Oh (……..) queria era mostrar a sua alegria por ter encontrado um amigo, e diz, Oh Furriel tu não imaginas o que é que eu senti, no meio daquela maçaricada toda, eu olhava para uns e olhava para outros e não via ninguém conhecido, de repente olho para o lado e o que é que eu vejo, um "SUBTERRÂNEO" meu, que alegria carago. Olhou uns momentos para o Cardoso da Silva e para o Soares á espera de uma reacção, mas nenhum soube o que dizer daquela alegria singela, de ver um CONTERRÂNEO (subterrâneo) naquele fim do mundo. >

1 comentário :

  1. Esse "SUBETERRÃNEO", malino corisco, para dizer que tinha encontrado: - um amigo CARAGO!!! só pode ter sido um homem do norte, carago. Dos lados do norte, concerteza onde se iniciou a génese portuguesa, penso eu de que.
    Meu amigo S. Miguel, "amanda" mais "estórias" da nossa história. Ficamos à tua espera aqui no blogue, já que não temos nenhum subeterrâneo, dos verdadeiros, que facilite a vida para nos encontrarmos mais vezes com essas três panteras que se encontram no meio do Atlântico. Quem vos mandou serem açoreanos?!!!
    ...Agora, cá, os nossos caros amigos, não venham bater no anónimo, porque têm mais que pistas para saberem de quem se trata e, não creio ser daqueles que precisam levar "puxões de orelhas... mas nunca se sabe...

    ResponderEliminar