o0o A Companhia de Artilharia 3514 voou para Angola no dia 2 de Abril de 1972 (Domingo de Páscoa) num Boeing 707 dos Tams e regressou no dia 23 de Julho de 1974, após 842 dias na ZML de Angola, no subsector de Gago Coutinho, Provincia do Moxico o0o Rendemos a CCAÇ.3370 em Luanguinga em 11 de Abril de 1972 e fomos rendidos pela CCAÇ.4246 na Colina do Nengo em Junho de 1974. Estivemos adidos ao BCav3862 e depois ao BArt6320 oOo O Efectivo da Companhia era composto por 172 Homens «125 Continentais, 43 Cabo-Verdianos e 4 Açorianos» oOo

terça-feira, 29 de junho de 2010

Memórias do Nengo (Leste de Angola)

Na imagem Pedro do PAD.2285 e Octávio Botelho no Kimbo dos metralhas (mecãnicos) em Fevereiro de 73
 
Para não faltar à minha palavra e à promessa que fiz de, mensalmente, estar presente neste Blogue, dando como que uma “prova de vida”, que, felizmente e apesar da saúde não ser das melhores, muitos há, por este mundo que estão em muito piores condições que eu e, a continuar como à presente data, poderei, salvo caso de extrema força maior, garantir a minha presença no nosso convívio, no mês de Setembro próximo, em Fátima.
Como disse acima, a saúde vai rotineiramente suportável e se assim continuar, terei razões para dar graças a Deus por isso. Mas a razão principal que me leva a contactar convosco por este meio, é a de transmitir uma qualquer imagem evocativa dos tempos passados nas remotas e tão distantes plagas do Leste de Angola, que vós, mais do que eu, palmilhastes com bastante suor, sacrifício e ,quem sabe, com algumas lágrimas de saudade à mistura!... Sim, não é vergonha confessá-lo e poder-se-á dizer que quem diz que tal lhe não aconteceu, mente descaradamente!...
Mas, como não estou aqui para recordar episódios verdadeiros, mas tristes, vou voltar-me para o motivo que me levou a elaborar este texto de fraca literatura e, desculpem-me, farei o possível por levá-lo a bom termo e satisfatóriamente.
Assim, depois de ir vasculhar as minhas já velhas fotos, com uns 36 anos de idade(como o tempo passa!...) Parece-me que foi há muito pouco tempo, mas é um facto incontestável, que está muito próxima a 4ª.década sobre a ocorrência das imagens que lá tenho documentadas.
Escolhi uma, ao acaso e ela aqui vai!...É uma foto inédita no Album do nosso Blogue e, por essa mesma razão, foi ela a eleita para servir de ilustração a este “post”. A foto em causa, de que não sei ao certo a data, poderá ser localizada no ano de 1974, feita na camarata dos Furriéis, no Destacamento Séde da Cart 3514, situado na Colina do Nengo e, quer-me parecer que muito próximo do fim da nossa Comissão, pois já se vêem no cenário da mesma os diversos tipos de malas usados no regresso dos contingentes a Lisboa. Dos figurantes na imagem, o primeiro, a contar da esquerda, não me recordo do nome dele, mas suponho que o Camarada Carvalho saiba o nome dele e talvez a sua Unidade. e, se assim for, poderá fazer-me o favorde legendar a foto. O segundo, sou eu próprio, ostentando uma “hipótese” de bigode, único que tive na minha vida. Como eu digo quase sempre, estas imagens despertam-me saudades do tempo em que tinha saúde a rodos e em que, não falando na ausência e privação da convivência dos meus familiares(mulher, filha e sogro, pois este fazia parte do meu agregado familiar), assim como nos riscos que também corria naquele ambiente, não tinha problemas de maior. Saudades também do convívio, camaradagem a amizade que, como de uma família se tratasse, se vivia e sentia na CArt 3514 e que, igualmente, se verificava em todas as Companhias de que fiz parte e que foram três, no período de 1964 a 1974
Acho que este “post” já está a fugir aos limites e estou a ver que tenho que lhe pôr termo. E assim, dou por finda a tarefa que me propuz enviando cordiais saudações aos colaboradores deste Blogue, a todos os Camaradas “Panteras Negras” da CArt 3514 e seus familiares, assim como a todos os eventuais vistantes do mesmo, onde quer que estejam.
Para todos um abraço do Camarada e Amigo, Botelho

1 comentário :

  1. Botelho se não estou errado essa foto será no dia da chegada dos camaradas da Ccaç.4246, bem eu já não me encontrava no Nengo estava em Luanda com a bagagem á espera de barco, mas analizando bem as malas de porão novas, a farda nova desse companheiro, o ferro de engomar a carvão do tempo da minha Avó, prossuponho que se trata do dia D (rendição da Cart 3514). Também olhando bem as suas botas que mais pareciam um espelho de tão polidas, me leva a pensar que não era apenas para impressionar os maçaricos, mas sim para tocar a marchar a caminho de casa, ou então alguma ordem de serviço de ultima hora para mostrar aos maçaricos que a bandalheira não morava no Nengo.
    um abraço

    ResponderEliminar