o0o A Companhia de Artilharia 3514 voou para Angola no dia 2 de Abril de 1972 (Domingo de Páscoa) num Boeing 707 dos Tams e regressou no dia 23 de Julho de 1974, após 842 dias na ZML de Angola, no subsector de Gago Coutinho, Provincia do Moxico o0o Rendemos a CCAÇ.3370 em Luanguinga em 11 de Abril de 1972 e fomos rendidos pela CCAÇ.4246 na Colina do Nengo em Junho de 1974. Estivemos adidos ao BCav3862 e depois ao BArt6320 oOo O Efectivo da Companhia era composto por 172 Homens «125 Continentais, 43 Cabo-Verdianos e 4 Açorianos» oOo

domingo, 1 de fevereiro de 2009

Estórias d´ Angola (1)

O Concorde da Discórdia

Recorte do Jornal "O Século" com um in noticia Fevereiro de 1973


Concorde (Aeroporto de Luanda)
01 de fevereiro de 1973

Sr. Biffen solicitou ao Secretário de Estado para Assuntos Estrangeiros e da Commonwealth que as representações foram recebidas sobre o vôo das cores do MPLA pelo avião Concorde, que recentemente desembarcou no aeroporto de Luanda, que medidas estão sendo tomadas para determinar como o incidente surgiu, o que as representações foram feitas para TAS sobre as implicações políticas e comerciais da sua acção, e se ele vai fazer uma declaração.

Senhor Balniel Eu não recebi nenhuma representações. Mas eu entendo que a British Aircraft Corporation, pediu desculpas ao Governo Português para a utilização inadvertida e infeliz de uma bandeira que obteve de boa-fé de um fornecedor comercial. Embaixador de Sua Majestade em Lisboa e Consul de Sua Majestade em Luanda tem também transmitiu Sua Majestade Governo lamenta que as autoridades Português.
Estrangeiros e do Commonwealth

14 comentários :

  1. Será que este incidente foi noticiado nos jornais de Angola "A Província de Angola" e "Diário de Luanda"? Creio que não!!! Na verdade, eu, apenas agora, estou a ter conhecimento disto!

    ResponderEliminar
  2. Em 01FEV73, estava eu em comissão de serviço, em Nengo, local situado na Circunscrição dos Bundas,cuja séde era denominada Gago Coutinho(hoje Lumbala Nguimbo)e tive conhecimento dessa ocorrência, não através de órgãos de comunicação social, que não tinham acesso àquele distante recanto angolano, mas talvez por via rádio e quase em cima do acontecimento!... Ora, se a rádio comunicou tal ocorrência, porque não teriam os jornais da Capital assinalado a ocorrência?!?... Estranho, no mínimo!...

    ResponderEliminar
  3. Nós nessa altura tinhamos por costume ouvir a BBC e a Voz da América em ondas curtas....Lembro-me que foi assim que ouvimos inclusive o 25 de Abril num radio só em chassis....

    ResponderEliminar
  4. "Comentar num Blog sem se identificar é como visitar alguém e não se apresentar."

    ResponderEliminar
  5. A notícia realça que um concorde visitou Luanda em Fevereiro de 1973 e que a sua tripulação teria hasteado a bandeira do então inimigo MPLA.

    Quanto ao concorde aterrar no aeroporto de Luanda...

    Trata-se de uma notícia bombástica: um avião daquela envergadura - creio que era, se ainda não é hoje - o maior avião comercial do mundo!
    Tenho sérias dúvidas que a imprensa local não tivesse noticiado a boa nova e... com grandes parangonas.
    Contudo, não me lembro de em Angola ter tido conhecimento disso.

    Quanto ao hastear da Bandeira do MPLA

    Estávamos envolvidos numa guerra subversiva, pelo que seria natural que uma notícia referente a um acto subversivo com grandes implicações internacionais, tivesse sido silenciada pelas forças de segurança de Angola.
    É infantil poder pensar-se que uma nação em guerra possa dar-se ao luxo de não utilizar a censura para actos subversivos que possam implicar com o moral dos soldados e do povo.
    Contudo, é bem possível que a notícia tivesse sido noticiada na imprensa juntamente com a notícia da visita do concorde.
    Aliás, ela foi noticiada na Metrópole pelo Século como vimos no post e pela rádio local como nos informou um comentarista.

    Na notícia publicada no Século e reproduzida no post transcreve-se uma informação distribuida pelo Governo­-Geral sobre este assunto. Deduz-se, assim, que tenha sido dado conhecimento disto à imprensa.

    Causas deste acto subversivo

    Eram muito poucas as pessoas que em Angola tivessem conhecimento da bandeira do MPLA. A grande maioria da população civil e até militar desconhecia que o inimigo se integrava em movimentos denominados MPLA, UNITA ou FNLA. À época, apenas se ouvira falar da UPA como grupo terrorista que perpetrara os massacres de 1961. Para todos, os inimigos eram os turras...
    Asssim, quem foram os promotores e, sobretudo, os mandantes deste acto: Que se apurou no inquérito, se é que foi feito?

    Algumas reflexões sobre os possíveis implicados

    - Teria havido a mão de elementos do grupo de Argel que, como sabemos, tudo faziam para alimentar as deserções de soldados e que combatiam o regime fazendo a política dos nossos inimigos em armas?

    - ou elementos do LUAR ou de outros grupos afectos ao Partido Comunista Português?

    - Não acredito que esta acção subversiva tivesse sido feita por um grupo local do MPLA pois, a célula clandestina deste movimento em Luanda (que tinha por missão lançar o terrorismo urbano na capital e nas outras cidades de Angola) havia sido completamente desmantelada pela PIDE/DGS uns anos antes.
    Fonte: a PIDE/DGS na Guerra Colonial 1961-1974 de Irene Flunser Pimentel

    ResponderEliminar
  6. Caro Anónimo:
    Se comentar num Blogue sem se idepntificar é como visitar alguém sem se apresentar, como se classificará o seu comentário em que tem um comportamento tão "condenável" como o meu?!? A coerência é uma atitude que fica muito bem a toda a gente!... Ou não será?!...De contrário haverá razões para se dizer: "Ri-se o nú do mal vestido"!...

    ResponderEliminar
  7. Os angolanos todos os residentes em Angola na época sabem que esta notícia é verídica e correu de boca em boca, apesar dos esforços da PIDE para abafá-la.
    Gaffe ou não, aconteceu sim.

    ResponderEliminar
  8. como pode a guerra de angola se destruir em tao pouco tempo pois eu sai de lá em 1967 e até 70 os maçaricos realmente eram ruins mas nunca imaginei tanto faziam acordos com terroristas foi por isso que foi tudo pela agua abaixo nao os praças os generais talvez nem todos mas foram falços demais que vigairistas foi uma pena como era na nossa época e como virou depois eu nunca ouvi falar no leste ouvi sim norte e sul de angola que no sul nunca teve guerra só teve no final de 1966

    ResponderEliminar
  9. e continuo os flechas ou soldados ou oficiais eram muito fortes e valentes queriam ser portugueses e herois pois já na minha época tinha compahias só de negros e eram melhores do que nós brancos e nao eram chamados de flechas eram soldados igual a nós nao tinha diferença nenhuma eram sim batalhadores e grande horra a esses homens que infelismente nao foram recohecidos por ninguém e tudo por causa de do PCP COVARDES

    ResponderEliminar
  10. vou escrever mais uma ou duas verdades para ir para a historia de portugal de 1965 a 1967 nunca houve falta de muniçao para qualquer arma de das nf e nunca ninguem pediu para nao gastar muniçao se o in dava 10 tiros nós davamos milhares mas os maçaricos que nos randeram a gente viu que eles iam mal preparados isso em 1967 emagina em 1972 e 1973 já o in deveria ter dado conta que as nossas tropas tinham mudado muito ai o in que nos vigiava de noite e dia porque eles sabiam a onde nós estavamos mas a gente nao sabia a onde eles estavam e na minha época eles nao eram bons ou tinham medo da gente porque se a gente desconfia-se a onde eles estavam nós iamos buscar eles e com muita facelidade pois como disse eles estavam mais perdidos do que cego em tiroteio muito fracos mas os mais novos generais deram mole ai eles creceram e acho que ainda andavam fazendo acordo com o in isso só tem uma palavra a forte mas vou escrevela [TRAIDORES]

    ResponderEliminar
  11. Nessa altura estava eu no Grafanil na intervenção C.C.3387, fui ao aeroporto aonde tirei uma foto, ainda a tenho, essa foto já foi vista em vários blogues. Nunca ouvi falar no assunto, passado algum tempo já estva no Sul de Angola quando sobe que algo se passou mas, nunca tive conhecimento ao certo.
    Mário Silva

    ResponderEliminar
  12. Lembro bem desde dito incidente com o Concorde e foi noticia de radio pois foi ai que tive conhecimento e ao contrario do que diz a noticia o avião ficou preso em Luanda durante quase dia e meio causando um incidente diplomatico entre Lisboa e Londres temdo o aviao so partido depois do respectivo pedido de desculpas. Mas isso era no tempo em que em Portugal havia homens com tomates.
    JMartins

    ResponderEliminar
  13. ISTO ACONTECEU DE FACTO.E EU TIVE O PRIVILÉGIO DE VER PORQUE ESTAVA NESSE DIA NO AEROPORTO COMO TRABALHADOR DO EX SERVIÇO DE AERONÁUTICA CIVIL.

    ResponderEliminar
  14. ISTO ACONTECEU DE FACTO.E EU TIVE O PRIVILÉGIO DE VER PORQUE ESTAVA NESSE DIA NO AEROPORTO COMO TRABALHADOR DO EX SERVIÇO DE AERONÁUTICA CIVIL.

    ResponderEliminar