o0o A Companhia de Artilharia 3514 voou para Angola no dia 2 de Abril de 1972 (Domingo de Páscoa) num Boeing 707 dos Tams e regressou no dia 23 de Julho de 1974, após 842 dias na ZML de Angola, no subsector de Gago Coutinho, Provincia do Moxico o0o Rendemos a CCAÇ.3370 em Luanguinga em 11 de Abril de 1972 e fomos rendidos pela CCAÇ.4246 na Colina do Nengo em Junho de 1974. Estivemos adidos ao BCav3862 e depois ao BArt6320 oOo O Efectivo da Companhia era composto por 172 Homens «125 Continentais, 43 Cabo-Verdianos e 4 Açorianos» oOo

terça-feira, 25 de novembro de 2008

Memórias


Caros amigos:
Cá estou de novo, trazendo uma nova contribuição para as "memórias" da Cart 3514 "Panteras Negras", relembrando com esta imagem uma das comemorações que, períodicamente ocorriam, para, felizmente, quebrarem a monotonia da convivência colectiva naquele ambiente onde as alegrias não eram muitas!... Enfim, lá se recorria à "muleta" à qual estou agarrado, em companhia do "Dr. Marques" e do "Vaguemestre Diogo", que pelos vistos e apesar de tudo, aparentam estar bem animados, eu incluído!... Não me lembra exactamente qual a comemoração que se fazia, pois, na verdade, o tempo decorrido já é muito, mas se não estou em erro, estamos no quarto dos furrieis que ficava no extremo esquerdo do "bidonville" do Comando e dado eu estar de garrafa em punho, dá indicações quase precisas de que a causa da "borga" teria sido o meu aniversário no ano de 1973 (31/Dez/73), no Nengo.
Já lá vão decorridos quase 35 anos, o que é muito tempo!...
Disto tudo o que resta? Saudade, nostalgia, recordações da camaradagem que se compartilhava com todos, como se fossemos uma família.
Não vou alongar-me mais e vou acabar, por agora, enviando cordiais saudações a todos vós e também para os dois companheiros daquela "borga"
Cumprimentos do amigo Botelho

2 comentários :

  1. Momento lindíssimo, cada qual com expressões corporais só comparáveis às dos bons artistas do teatro de revista.
    Espectáculo! E viva a alegria e a boa disposição que, apesar de tudo, foram nossas companheiras assíduas nos mais de 2 anos de vivência africana...

    ResponderEliminar
  2. Aqueles abajures dos candeeiros individuais das camas, manufacturados pelo nosso companheiro Cabo-Verdiano Veiga, serviu de adereço a muitos de nós aquando das farras realizadas noite dentro no quimbo dos furriéis, sempre que os ânimos ficavam mais animados e toldados pelos vapores etilicos e pelo cacimbo da madrugada.

    ResponderEliminar